Documentos contabilizam propinas de 1,4 bilhão de reais

A JBS, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, afirmou ter entregue R$ 1,4 bilhão em propinas nos 42 anexos de seu acordo de delação premiada. Os valores nominais de 214 pagamentos constam dos depoimentos e planilhas apresentados pelos delatores envolvendo 28 partidos. Em valores, o grupo concorre com a Odebrecht, cuja delação listou R$ 1,68 bilhão em repasses para 26 partidos.

Os repasses envolvendo a JBS podem ser maiores ainda se forem consideradas todas as doações eleitorais legais. O total relatado no anexos é mais que o triplo do que Joesley Batista havia admitido ter pago como propina – R$ 400 milhões – e mais do dobro do que afirmara Ricardo Saud, ex-diretor de relações institucionais da empresa (R$ 600 milhões).

Em seus pagamentos, a JBS é mais governista do que a Odebrecht. Segundo os relatos dos delatores, o grupo direcionou R$ 616 milhões a integrantes do PT (43,5% do total) e R$ 453 milhões para peemedebistas enquanto a Odebrecht havia reservado 25,4% de seus repasses para os petistas e 14,7% ao PMDB.

Em ambas delações, o PSDB – até 2016 na oposição – aparece em terceiro lugar como beneficiário de propinas. Do dinheiro da JBS, os tucanos ficaram com R$ 90 milhões (6,3% ), um pouco menos do que receberam da Odebrecht (8,9% do total).

Em quarto lugar na lista de repasses da JBS está o PSD, do ministro Gilberto Kassab, com 51,6 milhões (3,6 % do total). O PSD nasceu governista, durante a gestão de Dilma Rousseff (PT), e se mantém assim com Michel Temer (PMDB).

Os documentos revelam ainda que, em 2014, o grupo ajudou o PT e o PSDB a comprar os partidos que participaram das coligações que apoiaram as candidatura de Dilma Rousseff e Aécio Neves. Em uma anotação feita a mão por Saud consta uma lista de “partidos cooptados (parceiros) PT”.

A primeira sigla a aparecer é a do PR, ao lado da qual foi anotado o montante de R$ 34 milhões. A relação segue com PSD (R$ 43 milhões), PP (R$ 45 milhões), PMDB (R$ 129,2 milhões), PCdoB (R$ 13 milhões), PDT (R$ 4 milhões, PV/SP (R$ 1 milhão), PRB (R$ 2 milhões) e termina com o PROS, do então governador do Ceará, Cid Gomes, com R$ 10,5 milhões.

No caso do PSDB, o dinheiro para a compra dos partidos teria saído dos R$ 60 milhões que Joesley afirmou ter pago à candidatura de Aécio à Presidência em 2014. Segundo o depoimento de Saud aos procuradores, o tucano orientou que a propina fosse distribuída por meio de doações oficiais e pagamentos em espécie. O PTB teria sido cooptado por meio da entrega de R$ 20 milhões – R$ 17,95 milhões em doações oficiais e R$ 2,05 milhões em dinheiro. O Solidariedade teria sido arregimentado por meio do pagamento de R$ 15,2 milhões. O PMDB gaúcho teria recebido R$ 1,5 milhão, o DEM R$ 2 milhões e outros dez partidos repartiram R$ 4,4 milhões. O PSDB teria sido o destinatário de R$ 11 milhões.

Centro-oeste

O mapa das propinas da JBS revela uma concentração de pagamentos na região centro-oeste do País, onde estão muitos de seus interesses na área de energia e agronegócio. Para o ex-governador de Mato Grosso Sinval Barbosa (PMDB) o grupo relatou pagamentos que R$ 42,3 milhões. Outros R$ 13,3 milhões teriam sido pagos pelos irmãos Batista ao então secretário da Casa Civil de Barbosa, Pedro Nadaf.

No Mato Grosso do Sul, a JBS teria feito repasse aos três últimos governadores do Estado. Zeca do PT teria recebido R$ 3,1 milhões. Seu sucessor, André Puccinelli (PMDB), teria embolsado R$ 24,1 milhões, e o atual governador, Reinaldo Azambuja (PSDB) é citado como destinatário de R$ 28,4 milhões. O grupo teria feito ainda outros pagamentos que, somados, chegaram a R$ 30 milhões no Estado. (AE)